Terrorismo

Ex-líder da Jihad Islâmica é o provável sucessor de Bin Laden
fonte:Revista Veja

 

A rede internacional de terrorismo comandada pelo milionário saudita Osama bin Laden tem braços em mais de trinta países e envolve "agentes" de diversas nacionalidades. Há dúvidas entre os especialistas de quão eficaz seria a prisão ou o assassinato dele para combatê-la. Nesta segunda-feira, o jornal americano The New York Times publicou uma reportagem revelando o perfil do provável sucessor de Bin Laden no comando da Al Qaeda, um homem considerado por muitos uma ameaça ainda maior ao mundo ocidental.

Ayman al-Zawahiri, um cirurgião egípcio de 50 anos, ocupa o segundo posto mais importante na hierarquia da Al Qaeda, imediatamente abaixo de Bin Laden. Filho de uma família rica e prestigiada do Cairo, ele teve uma sólida formação política e religiosa e, ainda na juventude, enquanto estudava medicina, passou a defender as causas mais radicais do fundamentalismo islâmico.

"Sua experiência é bem maior que a de Bin Laden. Seu nome está ligado a praticamente todos os casos que envolvem extremistas muçulmanos desde a década de 1970", declarou Dia'a Rashwan, um dos principais especialistas egípcios no assunto. De fato, depois de participar de muitas ações isoladas na década de 70, Al-Zawahiri assumiu o comando do grupo terrorista egípcio Jihad Islâmica, tido como responsável por diversos dos mais sangrentos atentados de que se tem notícia.

Entre os feitos atribuídos ao "nº 2" estão o assassinato do presidente egípcio Anwar Sadat, em 1981, a explosão da embaixada do Egito no Paquistão, em 1995, e os atentados contra as embaixadas americanas no Quênia e na Tanzânia, em 1998. Pelo assassinato do presidente Sadat, Al-Zawahiri chegou a ser preso, mas acabou libertado por falta de provas.

Depois de tantos anos de atuação, Al-Zawahiri foi condenado à morte pela Justiça egípcia. Ele é tido como o criminoso mais procurado de seu país, onde não é visto desde 1986. Segundo os investigadores locais, o médico já viveu na Arábia Saudita, no Sudão e no Paquistão. Tudo indica que, atualmente, ele esteja escondido nas montanhas do Afeganistão, junto com Osama bin Laden.
A união dos dois terroristas teria acontecido em 1998. Depois dos atentados às embaixadas americanas na África, os Estados Unidos reagiram e bombardearam alguns campos de treinamento da Al Qaeda, no Afeganistão. Indignado com a retaliação, Al-Zawahiri teria entrado em contato com Bin Laden e dito: "A guerra começou. Os americanos devem esperar por uma resposta".

Segundo o The New York Times, especialistas egípcios dizem que os dois formam uma dupla eficaz pois, enquanto o saudita trouxe uma fortuna que herdou da família e faz o papel de líder carismático, o egípcio tem anos de experiência e um vasto conhecimento de técnicas de inteligência militar. Dessa união viria a força da Al Qaeda.



Voltar para a página do Atentado