Terrorismo

 
Otan vai apoiar EUA na guerra contra o terrorismo
fonte:Uol

The New York Times

Refugiadas afegãs fazem
fila para receber comida




A Otan invocou formalmente nesta terça-feira (02/10/01) sua cláusula de defesa mútua, depois que os Estados Unidos apresentaram provas "conclusivas" de que o militante de origem saudita Osama bin Laden estava por trás dos ataques de 11 de setembro, disse o secretário-geral da organização, George Robertson

"Está claro que todos os caminhos levam à al-Qaeda e apontam Osama bin Laden como envolvido (nos ataques)", disse Robertson, depois de ouvir o coordenador antiterrorismo dos EUA, Frank Taylor.

O artigo número 5 da cláusula diz que um ataque externo a um dos integrantes da Otan representa um ataque a todos os 18 países-membros.

É a primeira vez em seus 52 anos de existência que a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) invoca a cláusula.

Robertson não quis dizer como a Otan vai transformar a decisão em ação, mas afirmou que "os Estados Unidos da América podem confiar plenamente no apoio de seus 18 membros em sua campanha contra o terrorismo internacional".

"Grandes notícias"

Dois dias antes dos atentados de 11 de setembro, Bin Laden disse à sua mãe para esperar por ``grandes notícias'', informou a NBC News na terça-feira.

Bin Laden entrou em contato com a mãe adotiva, Al Kalifa bin Laden, no dia 9 de setembro, dizendo: "Em dois dias, você vai ouvir grandes notícias, mas eu não darei notícias por algum tempo", destacou o website da NBC, citando fontes não identificadas.

De acordo com a publicação, o inimigo número um dos EUA não possui uma relação próxima com a família, entretanto, tem mantido contato com Al Kalifa bin Laden, uma das quatro mulheres do pai, o magnata Mohammed bin Laden.

A NBC afirmou que Bin Laden, de 44 anos, é possivelmente o único filho de uma mulher da Síria ou da Palestina, mas ele foi educado por Al Kalifa.

Os dados não explicitaram onde ela estava no dia dos atentados. Um dia depois, ela foi examinada em um hospital de Paris.



Voltar para a página do Atentado