Terrorismo


Tropas americanas tomam principal palácio presidencial, mas não encontram Saddam

Fonte: Globonews e Agências Internacionais - Segunda - feira - 07.04.2003

BAGDÁ - No 19º dia da guerra, forças dos EUA abriram com bombas e balas seu caminho até o coração de Bagdá na manhã desta segunda-feira (madrugada no Brasil), assumindo posições ao longo da margem oeste do Rio Tigre. Os invasores atacaram ao menos dois palácios presidenciais e avançaram por uma grande fatia do centro da capital iraquiana - no maior ataque terrestre à cidade desde o começo do conflito. Houve resistência em várias partes da cidade. Ao menos dois fuzileiros navais americanos morreram e dois estão desaparecidos. No sábado, forças americanas fizeram uma incursão na cidade e lutaram com iraquianos, mas não invadiram prédios do governo.

Nesta segunda-feira, tropas e tanques da 2ª Brigada da 3ª Divisão de Infantaria do Exército americano tomaram o Palácio Republicano (principal escritório e complexo de segurança de Saddam) e invadiram o Palácio Sijood. Nos arredores da cidade, um batalhão armado da divisão de infantaria invadiu um velho palácio presidencial perto do Aeroporto Internacional de Bagdá. Havia relatos não confirmados de que forças americanas atacaram outros prédios do governo, entre eles o Ministério da Informação, o Hotel Al-Rashid e uma base do Exército iraquiano. De acordo com a agência Reuters, no entanto, o hotel e o ministério foram cercados, não ocupados.

'Batalha por Bagdá' ainda não começou - Militares americanos exortaram jornalistas a não superestimar o ataque de segunda-feira, dizendo que a operação poderia não ter como objetivo ocupar território da capital. Não ficou claro se as tropas americanas pretendiam permanecer nos palácios invadidos ou bater em retirada para suas posições anteriores, nos arredores da cidade. De acordo com o general-de-brigada Vincent Brooks, porta-voz do Comando Central dos EUA no Qatar, essa é uma decisão que cabe aos comandantes em Bagdá.
- Estas são decisões táticas - disse Brookss. - Os comandantes americanos que agem em Bagdá tomarão a decisão de que partes da cidade querem manter controle - afirmou.

Oficiais britânicos dizem que Ali Químico está morto- BASRA - Ali Hassan al-Majid, um dos mais brutais e infames integrantes do círculo pessoal de Saddam Hussein, teria sido morto por um bombardeio contra sua casa na cidade de Basra, disseram nesta segunda-feira oficiais britânicos. Al-Majid ficou conhecido como 'Ali Químico' por ter ordenado ataques com gás venenoso que mataram milhares de curdos em 1988.
O major Andrew Jackon do 3º Batalhão do Regimento de Pára-quedistas disse que seus superiores disseram ter encontrado o corpo do homem, que era o primo mais próximo de Saddam, encarregado de defender o sul do Iraque da invasão de tropas anglo-americanas. A morte de Al-Majid seria um enorme golpe na estrutura de poder de Saddam. O ministro de Defesa da Grã-Bretanha, Geoff Hoon, disse que havia 'fortes indícios' de que Al-Majid estava morto mas se negou a confirmar o fato.


Voltar