Terrorismo


Começa a guerra para destituir Saddam Hussein e desarmar o Iraque

Fonte: GloboNews e Agências Internacionais - Quinta feira - 20.03.2003

Mesmo sem aprovação de resolução da ONU e com apenas Grã-Bretanha e Austrália como aliados, os EUA declaram guerra contra o Iraque. Na Grã-Bretanha e Austrália, a população também é contra essa guerra que poderá gerar até um conflito mundial.

CIA disse a Bush que conhecia paradeiro de Saddam, o que levou Bush a ordenar ataque 'improvisado'
WASHINGTON - O diretor da CIA, George J. Tenet, informou ao presidente George W. Bush que tinha a localização de Saddam Hussein.
Hussein e alguns de seus principais assessores vinham sendo monitorados pelos EUA há tempos. A CIA não esperava que sua capacidade de localizar o ditador e seus ajudantes durasse muito tempo e portanto disse a Bush que aquele era um "alvo de oportunidade", que poderia não voltar a aparecer. A CIA informou ao presidente que não apenas sabia onde Saddam estava, mas acreditava que ele permaneceria por horas entrincheirado com seu conselho de guerra numa residência particular no sul de Bagdá.
Bush arriscou pouco militarmente, gastando cerca de 40 mísseis cruzadores e pondo dois pilotos e suas aeronaves em risco.
Quando Bush assinou a ordem de guerra, por volta das 18h30m (horário local), havia um quê de improviso nela. Os primeiros tiros atingiriam o teto e as paredes de uma casa anônima em Bagdá e muito abaixo das estruturas, na esperança de "decapitar" o governo iraquiano com um só golpe.
Mas na psicologia da guerra, lembra o jornal "Washington Post", atirar e errar o alvo pode custar caro.

BAGDÁ, WASHINGTON e CIDADE DO KUWAIT - Às 5h15m da madrugada desta quinta-feira (23h15m em Brasília), os Estados Unidos e seus aliados despejaram as primeiras saraivadas de bombas sobre o Iraque de Saddam Hussein, dando início à maior aventura militar americana desde a Guerra do Golfo, em 1991, e cumprindo a promessa de usar a força para tentar destituir o ditador e eliminar seu suposto arsenal de armas não-convencionais. A guerra começou com um ataque com mísseis Tomahawk e caças F-117A, cujo alvo principal seria o próprio presidente iraquiano. Saddam apareceu três horas depois em um pronunciamento veiculado pela emissora estatal de TV, mas não está claro se o dircurso foi gravado e quando.

Os ataques aéreos contra o Iraque tinham como objetivo centros de comando e de controle e, se tiverem sucesso, podem mudar a natureza da guerra, disse um porta-voz das forças americanas. A ação ganhou o nome de 'operação de decapitação', explicou um militar americano:

Iraque dispara mísseis contra tropas aliadas no Kuwait e desperta temores de ataque químico
CIDADE DO KUWAIT - O Iraque disparou quatro mísseis contra tropas americanas e britânicas que se concentram no Kuwait, prontas para invadir o território iraquiano. Os ataques não deixaram mortos ou feridos, mas deflagraram temores de que um ataque com armas químicas tivesse sido lançado contra os soldados aliados e o país vizinho ao Iraque - que foi invadido em agosto de 1990 por Saddam Hussein.

Um dos mísseis iraquianos, identificado como um Scud, foi interceptado e abatido por um míssil americano Patriot. O restante aterrissou na zona norte do Kuwait. Antes de o Scud ser abatido, os iraquianos haviam disparado um míssil Al-Samoud (como os destruídos recentemente pelos inspetores da ONU) contra as tropas americanas concentradas no acampamento de Nova Jérsey, no deserto do Kuwait. O projétil também foi interceptado por mísseis Patriot.

Não se sabe se os projéteis carregavam ogivas com agentes químicos ou biológicos, como chegou a ser especulado. Soldados americanos e britânicos chegaram a vestir máscaras de gás ao ouvir a sirene antiaérea e os estrondos dos mísseis atingindo o chão. Momentos depois, receberam ordem de retirar as proteções, depois de os projéteis terem sido destruídos.

- Nossa informação foi de que se lançou um míssil Al-amoud contra tropas americanas em posições avançadas - disse o coronel Michael Linington, chefe da Terceira Divisão da Brigada Aerotransportada 101.



Voltar