Terrorismo


Bush tinha plano para destruir Laden

Fonte: Veja Online - 17.Mai.2002


As propostas chegaram às mãos do presidente dois dias antes do atentado. O plano previa bloqueio de recursos da Al Qaeda e estratégias para pressionar o Talibã a entregar Osama bin Laden.

16.05.2002 - Corpo de Daniel Pearl pode ter sido encontrado.


O plano para destruir o grupo terrorista Al Qaeda chegou tarde demais às mãos do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush. Segundo a rede de TV NBC, uma ousada proposta para acabar com a organização foi entregue a Bush dois dias antes do fatídico 11 de setembro. "Este plano, uma diretriz presidencial de segurança nacional, foi posto sobre a mesa do presidente, que não teve tempo de tomar conhecimento dele, nem assiná-lo", informou a NBC.

A proposta previa uma guerra total em várias frente, com operações antiterroristas em 70 países, congelamento de recursos da Al Qaeda em todo o mundo e estratégia para pressionar o Talibã a entregar o saudita Osama bin Laden aos americanos. As informações foram divulgadas um dia após a Casa Branca admitir que Bush sabia que Laden preparava um ataque com aviões contra os Estados Unidos.

Em meio ao escândalo, o vice-presidente americano, Dick Cheney, criticou o Partido Democrata, que estaria utilizando o fato politicamente, e alertou o país sobre a possibilidade de um ataque muito pior do que 11 de setembro. Para Cheney, as insinuações de que os atentados poderiam ter sido evitados são "totalmente irresponsáveis em tempo de guerra". "Uma investigação não deve interferir nos atuais esforços para impedir o próximo ataque, porque, sem dúvida, existe uma ameaça real de um atentado ainda mais devastador", disse o vice.

VIVO OU MORTO? – Nesta sexta-feira, o jornal árabe Ashraq Al Awsat publicou uma entrevista com o líder do Talibã, mulá Mohamed Omar, que teria sido realizada no Afeganistão por meio de um assessor. Segundo mulá, Laden não morreu, como chegou a ser noticiado. "O xeque Osama continua vivo, graça a Deus, e isso deixa o Bush aflito. Ele prometeu matá-lo sem saber que a vida está nas mãos de Deus", afirmou.

Omar, que estaria escondido nas montanhas afegãs, disse ainda que a guerra travada pelos EUA no Afeganistão continua. "A batalha vai agravar-se até chegar à Casa Branca, o quartel-general da injustiça e do despotismo, já que ali foi iniciada uma guerra contra o Islã e os muçulmanos sem justificação legal ou internacional", afirmou o mulá. "O futuro dos americanos no Afeganistão será um inferno e, Deus queira, sofrerão uma derrota inevitável, como aconteceu com os ingleses e com a extinta União Soviética."



Voltar