Terrorismo


EUA enfrentam resistência e atentado mata marines em Bagdá

Fonte: Globonews e Agências Internacionais - Quinta - feira - 10.04.2003

EUA enfrentam bolsões de resistência e atentado suicida em Bagdá, após queda do regime

BAGDÁ - Um dia depois de os EUA terem decretado o fim do regime de Saddam Hussein em Bagdá, as forças anglo-americanas encontravam bolsões de resistência ferrenha iraquiana à medida que lutavam para consolidar seu controle da capital e do sul do país. Um porta-voz da 1ª Força Expedicionária dos Fuzileiros Navais disse à CNN que alguns marines morreram e outros ficaram feridos num ataque suicida perpetrado na noite desta quinta-feira (horário local) no centro de Bagdá. A informação não foi confirmada pelo Comando Central dos EUA. Segundo a CNN, quatro marines ficaram gravemente feridos.

O porta-voz dos marines disse que o atentado aconteceu em um posto de comando ao norte do Hotel Palestina, onde a maioria dos jornalistas estrangeiros está hospedada. Perto do hotel, na quarta-feira, os marines ajudaram iraquianos a derrubar uma gigantesca estátua de Saddam. Segundo a emissora britânica BBC, fuzileiros navais que teriam testemunhado o atentado disseram que um homem iraquiano se aproximou dos soldados e detonou várias granadas.

Este foi o terceiro ataque suicida contra soldados das forças de coalizão. Em 29 de março, quatro soldados americanos morreram em um ataque suicida perto de Najaf, 160 quilômetros ao sul de Bagdá. Em 5 de abril, um carro explodiu em um ponto de controle a noroeste de Bagdá, matando três soldados americanos. O motorista e uma mulher grávida, que estavam no veículo, morreram.
- Bagdá ainda é um lugar feio - disse horass antes o major-general Victor Renuart, do Comando Central de operações dos EUA.

Ele se referia a várias partes da capital ainda controladas por guerrilheiros leais ao ditador do Iraque. Alguns são árabes não-iraquianos, vindos de outros países da região para defender o regime do partido Baath das tropas invasoras.

Em entrevista no quartel-general do Comando Central no Qatar, Renuart disse que as forças da coalizão estavam trabalhando para estabilizar a situação na capital. Forças dos EUA se envolveram em lutas intensas que duraram horas perto de uma mesquita no centro-norte de Bagdá, onde acreditavam que líderes do regime estivessem escondidos - entre eles Saddam Hussein. Os guerrilheiros iraquianos foram mortos ou capturados. As forças dos EUA sofreram baixas leves. Nenhum membro do Baath foi encontrado, disse o Comando Central.

Turquia preocupada. Guerra segue para o norte e curdos e americanos tomam cidade de Kirkut - KIRKUK, Iraque - Um dia depois de o regime de Saddam Hussein ter entrado em colapso em Bagdá, a guerra dos EUA contra o regime do Iraque se moveu para o norte do país. Forças da minoria étnica curda apoiadas por americanos entraram na importante cidade petrolífera de Kirkuk nesta quinta-feira. A quarta maior cidade do Iraque caiu sem que houvesse resistência significativa das forças ainda leais a Saddam. O secretário de Estado americano, Colin Powell, reafirmou à Turquia que as forças da coalizão, não os curdos, controlam as operações em Kirkuk, afirmaram fontes do Ministério do Exterior da Turquia.

Em uma conversa telefônica com o chanceler da Turquia, Abdullah Gul, Powell disse que os EUA se comprometem a formar um comitê com os curdos e os turcos para discutir ações na cidade. A Turquia tem a preocupação de que o dinheiro conseguido com o petróleo de Kirkuk dê aos curdos os recursos para formar uma nação independente. A Turquia se prepara para enviar observadores militares a Kirkuk.

Problemas à vista - Líder iraquiano xiita é assassinado dentro de mesquita em Najaf - O líder muçulmano xiita iraquiano Abdul Majid Al-Khoei e um ajudante foram assassinados por uma multidão enfurecida em frente a uma mesquita em Najaf, cidade considerada sagrada pelos xiitas, disse um representante da Fundação Khoei, que tem sede em Londres. Muitas pessoas ficaram feridas. Os assassinatos devem acirrar as tensões entre os muçulmanos xiitas e sunitas, e entre os próprios grupos rivais xiitas.

Fontes da oposição iraquiana disseram que o assassinato de Majid Al-Khoei poderia desencadear lutas internas entre os xiitas, que representam 60% da população do país, enquanto os EUA tratam de reunir os grupos rivais no Iraque posterior a Saddam.

Líderes do Iraque desapareceram. EUA tentam descobrir para onde e para fazer o quê - O jornal americano "Washington Post" afirmou nesta quinta-feira que as equipes dos serviços secretos dos EUA trabalhando no Iraque e os aparelhos de espionagem lá colocados para monitorar Saddam Hussein reportaram que praticamente toda a liderança iraquiana desapareceu. De acordo com a publicação, os comandantes militares dos EUA dizem suspeitar que alguns líderes do regime foram para a cidade natal de Saddam, Tikrit, no norte do país, e que outros fugiram para a vizinha Síria. Batalhas com as forças iraquianas na cidade de Qaim, perto da fronteira síria, levaram alguns britânicos e americanos a suspeitarem que as tropas iraquianas estariam protegendo líderes importantes do partido Baath ou familiares de Saddam - embora não tenha ficado claro quem.

À medida que Bagdá escapava do controle de Saddam na quarta-feira, equipes das Forças Especiais dedicadas a matar ou capturar o presidente do Iraque e altos líderes do regime descobriram que os líderes do Baath, da Guarda Republicana e membros de alto escalão do governo não estavam em seus locais costumeiros. Mesmo o ministro da Informação, que vinha dando entrevistas diariamente a jornalistas, não foi trabalhar.


Voltar